terça-feira, 22 de maio de 2018

Não existe propriamente uma saída pela Barbárie ... no Ocidente!


Não existe propriamente uma saída pela Barbárie ... no Ocidente!

Notas 229518 – por Luiz C.S. Lucasy


Tanto a democracia quanto o capitalismo original (...), pressupõe honestidade, integridade, sinceridade e amor à pátria e ao povo e você escolhe entre os melhores! Isso é um prazer, não um sacrifício então, a urna eletrônica seria ótima. Lembre-se que para ser candidato, funcionário público e funcionário da iniciativa privada era necessário ‘atestado de idoneidade etc. Hoje, qualquer canalha pode ser encarregado do Tribunal de Contas de um estado. Bem, são as ações do crime organizado e organizado pelo poder (...). As coisas não mudaram, deformaram, desde 35 com a intentona comunista, L. C. Prestes e a invasão comunista e nunca mais pararam. A proposta do comunismo internacional era desestabilizar, desmoralizar e criar essa situação ridícula e realmente visceral. Afinal, pensávamos em termos de uma sociedade irmã, amiga. Caso contrário, seria e está sendo, o caos, a barbárie.


Fazendo uma analogia entre aquelas pessoas que trabalham produzindo o pó de cocaína e os que trabalham na inciativa privada é possível ver coisas que se denunciam, como por exemplo, o risco de se mexer com cocaína é um risco químico e mortal, tanto que as pessoas trabalham com mascaras em locais insalubres e ficam todas juntas, como seria os antigos ateliers de costura, uma máquina ao lado da outra. O trabalho com a cocaína é ilegal, é perseguido e não paga impostos; o trabalho na iniciativa privada é legal e paga impostos. As companhias de cigarro haviam se comprometido a pagarem a dívida brasileira se recebesse em troca dez anos de isenção de impostos. O governo militar não aceitou, achou arriscado ou, não tinha como argumentar. No trabalho com a cocaína não existe sindicato, no outro, da iniciativa privada existe. Os salários, dos trabalhos com cocaína, devem ser mais atraentes e com menos horas de exposição ao pó. As relações de trabalho, no setor cocaleiro, é uma relação de extrema confiança ou, morte. Jamais algum ‘trabalhador’ do setor, sai dizendo o que faz e qual é a sua ‘profissão’. Nesse sentido é que, curiosamente, alguns magnatas e governo, tentam liberar “as drogas”, até para legalizar a “profissão”. Ou, talvez, seja a forma de ‘ajudarem o narcotráfico’, que conquistou o 3º lugar na economia e fazendo isso, de certa forma estão associados aos negócios do narcotráfico. E isso é um fato, que ocorre na Bolívia, quando as FARC, que atua no narcotráfico está tomando o poder na Bolívia graças ao ex-presidente Santos, que até onde se sabe é ligado à “Fabian Society”, uma velha organização comunista, da qual FHC faz parte e, é um dos chefões no Brasil e que também ajudou Lula e Fidel se ajudando mutuamente, a criarem o Foro de s. Paulo, que fizeram uma reunião em 1993, em Princeton, para decidirem os destinos do Brasil (e, América Latina).

De certa forma, quando você fala sobre as coisas terríveis que a droga pode fazer com a pessoa: espiritualmente, fisicamente etc. e, em seguida você fala de “liberação das drogas”, realmente o “produto” disso, dessa propaganda de legalização é um ato de camuflar, de sombrear e colocar em dúvida, os males da droga. Ora, no Uruguai as drogas são legais. Nem por isso o Uruguai deixou de existir ..., não é assim? E não é assim, também, que silenciosamente, sacrificaram (...), a iniciativa privada, taxando-a ao ponto do desestímulo, para estimular mercados ilegais, como o “mercado chinês”, por exemplo. E não foi o Estado/governo, que criou empregos “fabulosos”, à custa de impostos, fazendo com que a população corresse para os empregos do Estado? Desprezando e minimizando os empregos na iniciativa privada? E também, corroborando com o sentido mesmo, de uma pseudo anarquia no trabalho, quando, em especial, dá privilégios ao ‘crime organizado’, supostamente, contra o próprio Estado, mas, o impossibilitando, ao Estado/governo, de agir, simplesmente criando dentro do próprio Estado órgãos como os “Direitos Humanos” e, impingindo isso ao mundo ocidental?

Porque será que o lado contrário a todo esse avanço de coisas estranhas à sociedade, não reage à altura? Por exemplo, bastaria que uma cidade, trouxesse para o lado, da sociedade em termos de civilidade, o empresariado e, os trabalhadores. Simples assim. Ora, o sindicalista – um agente do estado, desde a intentona comunista de 35 –, não conseguiu, em muitos momentos, reunir trabalhadores, milhares deles, para o colocar contra o empresariado? E, em todos esses casos, o motivo não era torpe? (Motivos estratégicos, táticos do ‘movimento comunista). Não vamos considerar os “aumentos de salário”, isso nunca foi o motivo das greves, mesmo porque, nenhum comunista poderia aceitar que as empresas, pudessem resolver esses problemas, como fizeram as multinacionais, isso simplesmente desmontaria o ‘movimento do comunismo’. No entanto, o efeito das ‘manifestações’, abjetas, provocadas, inventadas, criadas, pelo movimento comunista, surtiu um efeito dramático, fantasioso e ilusório, nas relações de trabalho e criou a figura do “patrão e do trabalhador”, do “explorador e do explorado”. Pois bem, isso pode mudar rapidamente e rapidamente desmontar anos de mentiras.

Foz do Iguaçu tem uma oportunidade única e que pode ser referencial para todo o País. E essa situação que promove esta oportunidade, ela está precisamente no setor “de trabalho”, mais fraco, o que não quer dizer a mais pobre, que é o setor de serviços: a Área de Serviços, onde conseguiram (o Estado e suas Leis e, o improviso econômico), impor o trabalho intermitente de 2ª. a 2ª., com uma suposta folga que geralmente é paga. Pois bem, é em Foz do Iguaçu, na área do turismo, que se arrecada ao ano de 400 a 500 milhões de reais com o turismo e, com a estrutura do turismo (pessoas inclusive) e, esse dinheiro não fica em Foz do Iguaçu, nem parte dele, exceto “a manutenção”, que segundo eles custa, 40 milhões. E, com 250 milhões ao ano, se poderia contratar 9 mil pessoas para trabalharem nos finais de semana (sábado e domingo) e feriados, criando a figura da “semana inglesa”, de 2ª., a Sexta. Isso modificaria a cidade para melhor e evidentemente, o empresariado recuperaria sua dignidade histórica, de quem investe e gera empregos. Evidente que cairia a procura pelo emprego no Estado e cresceria a procura de outras ocupações e mesmo, lazer e passeios pela cidade. As lojas seriam motivadas e fariam o trabalho que deveriam ter feito há muito tempo, que é exatamente o papel que estão fazendo as “gigantes” na internet. E tirando, aos lojistas e ao povo, a exposição do produto, a explicação do produto, a negociação, o prazo de pagamento “olho no olho” e, uma atualização do mercado etc. (Por exemplo, um shopping de máquinas de produção de bens de consumo). E principalmente, se daria um “choque”, no bom sentido, à iniciativa pessoal, à imaginação, que se cria, que acontece, quando se dá tempo às pessoas e a trata com dignidade e elas se sentem “felizes”, como o que fazem e da forma que fazem. Desde que não seja a dignidade de um pobre funcionário público, destinado à “lama política” e não há como se safar disso, pois que, até o momento não há forças de resistência contrária, social contra todos estes absurdos que vem acontecendo no país, desde o crime organizado.  

domingo, 20 de maio de 2018

Em ritmo de Rock In Rio, algo entre Acusação e Denúncia ...




Em ritmo de Rock In Rio, algo entre Acusação e Denúncia ...
 
Madrugada Sombria - Madrugadas de Foz




Notas 170518 / Luiz C.S. Lucasy


Chamada do Jornal Gazeta de Foz do Iguaçu, segundo declarações colhidas no meio político e midiático e da comissão do conselho de ética da câmara municipal de Foz do Iguaçu:

“A vereadora Nanci Rafagnin Andreola (PDT) foi ouvida ontem (16) no Conselho de Ética da Câmara Municipal de Foz do Iguaçu. Acusada de quebra de decoro, ela responde processo administrativo disciplinar após denúncia de faltar a duas sessões da Câmara (uma ordinária e outra extraordinária) no dia 21 de setembro do ano passado, apresentar atestado médico e no dia seguinte aparecer no Rock In Rio. A defesa afirmou que não existe no processo nenhum ato que desabone a conduta de Nanci”.


Procurando significados:

O PDT é um partido simpático ou, ligado ao Foro de s. Paulo. Creio eu, que Nanci já esteja fora do partido, restam as questões formais. Não imagino que Nanci soubesse e muita gente de dentro do PDT, inclusive o possível candidato a deputado, para 2018, “Narizão”, soubessem ou, saibam, que o PDT como partido de massas, sabia e era agradável ao Foro de s. Paulo:

Atas do FsP - Después del XII Encuentro del Foro de São Paulo, realizado en 2005, en Brasil, hemos tenido um conjunto importante de elecciones en América Latina y Caribeña. Estas elecciones – en Chile, Colombia, Bolivia, Haití, Costa Rica, México, Ecuador, Perú, El Salvador, Nicaragua, Brasil y Venezuela – han revelado una correlación de fuerzas, electoral y política, signada por la victoria o por lo menos por el crecimiento de las fuerzas progresistas, nacionalistas y de izquierda. Estados Unidos ha perdido parte sustancial del control político sobre América Latina y El Caribe.
En Brasil, por su parte, más de 58 millones de brasileños y brasileñas reeligieron al petista Luiz Inácio Lula da Silva como presidente de la República. Participaron en la campaña del segunda vuelta militantes del PT, PCdoB, PRB, PSB y los dirigentes y afiliados del PMDB, PDT, PV, PP, PCB, PL, PPS, PTB y PSOL. Así como militantes de movimientos sociales de la ciudad y del campo, mujeres, jóvenes, negros, indígenas, artistas, intelectuales, religiosos y sindicalistas que salieron en defensa desus conquistas y de la continuidad de un programa de transformación económica, social y política del país. jóvenes, negros, indígenas, artistas, intelectuales, religiosos y sindicalistas que salieron en defensa de sus conquistas y de la continuidad de un programa de transformación económica, social y política del país.
.... Todos estos cambios se harán en el contexto de una clara vocación de integración andina y latinoamericanista que parta de la constatación de que no estamos solos en la sub-región y que podemos contar con la amistad y la solidaridad de los gobiernos democráticos y progresistas encabezados por los Presidentes Lula, en el Brasil; Chávez, em Venezuela; Michelle Bachelet, en Chile; Tabaré Vásquez, en Uruguay; Evo Morales, en Bolivia; Nestor Kirshner, en Argentina; Daniel Ortega, en Nicaragua y desde luego con la presencia de dignidad de la Cuba heroica y socialista.
    

O Conselho (1), na verdade é uma espécie de “alavanca”, para mover algo que está no caminho, nos limites de uma maioria de uma câmara municipal, que não quer se dar ao trabalho no conjunto de seus membros e, alguns são separados para esse fim e como tal são tratados, quando na verdade são vereadores tão iguais quanto são os grãos de areia na praia. Todos os vereadores têm poderes iguais. O presidente da casa, por exemplo, tem vantagens materiais e decisória, sobre os outros, quando, empatam em uma questão, o presidente decide por um ou, outro. (Neste caso, coincidentemente o presidente da casa é do PDT). O presidente o é, presidente, na medida mesma em que respeita e honra seus pares. Mesmo que, o partido diga o contrário. O Conselho, é uma comissão de vereadores que, em sendo permanente, criado desde a eleição do presidente da casa, pode ser legítimo, se houver um perfeito equilíbrio de todos os partidos, o que é muito raro. E mais raro ainda, é o equilíbrio interno, ao conselho, onde cada indivíduo tem consciência plena e desenvoltura intelectual para a função, não legislativa, mas, judiciária, partidária de princípios. Basta a prevalência de um indivíduo sobre os outros ou, sobre um dos conselheiros, para que o conselho perca o sentido a que se propõe, que é fazer justiça e principalmente, considerar, sobre a que tipo de justiça se refere e se ela, tem subsídios concretos e que afetam realmente as instituições e ainda concentrados em uma pessoa do próprio legislativo, que representa as instituições e o faz em nome de seus eleitores, cujo número de eleitores tem importância, quando se distancia de outros iguais, o que significa maior referência popular. 

      1 – Conselho de Ética de Blumenau, sobre ‘faltas’, no conselho. § 2º Será automaticamente desligado do Conselho o membro que injustificadamente não comparecer a mais de 3 (três) reuniões, consecutivas ou não, e o que faltar, ainda que justificadamente, a mais de 6 (seis) reuniões, durante a Sessão Legislativa. 


continua ... 

continuação ...


Creio que denúncia e acusação sejam coisas diferentes. A denúncia pode ser furtiva, a acusação é objetiva. A denúncia tem que afigurar uma pessoa. A acusação pode ser reproduzida na mídia e ganha uma dimensão que na verdade não tem, e que pode encobrir o denunciante.
Em casos políticos municipais, o valor moral, até prova em contrário, do denunciante e denunciado, é o mesmo. E da mesma forma o denunciante deve estar exposto ao público, pois que, neste caso, político, e por não ser uma denúncia contra o crime organizado ou, máfia (termo emprestado à Itália), trata-se de interesse público e se, inicialmente, a gravidade da denúncia é uma possibilidade, ou é, entre tantas outras, quando se inclui o porquê – necessariamente – do interesse do denunciante, se houver. O que também é um caso a ser averiguado e também entra no rol das possibilidades.
Da mesma forma, o interesse do – denunciado –, pode ser completamente diferente, daquilo que o público possa imaginar ou, o que é divulgado em função da denúncia:

Por exemplo, e no limite, por mais acusações que haviam contra o Lula (Renan Calheiros), desde o mensalão, ele ainda elegeu Dilma e agora, preso (por conveniência da eleição de 2018, para acalmar os ânimos e criar uma rápida e tênue legitimidade e ainda usá-lo como símbolo, caso em que, deviam deixa-lo solto sem direitos políticos ..., para sempre - aliás, todos os presos políticos - já imputam o crime à política, ao 'movimento), uns querem que ele volte, outros, se iludem com a sua prisão, enquanto, para alguns, já articulam ‘o retorno triunfal do símbolo Lula’, com a vitória de qualquer um, que não seja Bolsonaro e que, irá correndo (...), liberta-lo da ‘inquisição judiciária’. E angariar “bônus” políticos para si e, para o ‘movimento. Lembram de “Mário o encanador”, do vídeo game, pois é ... bônus.

Às vezes, uma coisa pode parecer e não ser ou, ser e não parecer, desde que haja um truque, desde que seja um truque publicitário. Muito bem ocultado:

Como fez Duda Mendonça, quando da propaganda do PT, mulheres e crianças de branco correndo no campo, simulando um paraíso na terra, ou plágio da propaganda da OMO e, encobrindo o inferno do imaginário petista, das falcatruas, dos mensalões e tudo em nome de um tal, “mundo melhor”.

 .... E tudo isso, esse trabalho midiático que é basicamente o que faz a política, ele tem que ter toda a aparência de legitimidade. E considerando os efeitos diferentes para diferentes públicos. Afinal, quem que esteja no meio político e sabe e, todos sabem, das vantagens do Estado contra a Iniciativa Privada, por princípio, quem, que iria ter moral para interpretar um erro político tático (quando não é erro, mas é objetivo). Quando, os que tem o direito de selecionar previamente - não as pessoas que criam  armações infantis e, também de engenharia de comportamento, mas aqueles que se permitem usar politicamente em cargos institucionais -, através de uma simples ação – um voto, de dois em dois anos - e não o fazem, precisamente porque consideram, imaginam e imaginam-se, dentro de proporções, que lhes são próprias ou que, a miséria moral e cultural lhes impõe, desde os primeiros anos de escola.



Os Chineses Estão Chegando!




             

Os Chineses Estão Chegando!





Por Luiz C.S. Lucasy

        O que aconteceu em Foz do Iguaçu, com o 'mercado' da cidade, a partir do mercado Chinês? O mercado Chinês é um mercado artificial, criado e apoiado pelo governo brasileiro, que tem controle sob o governo paraguaio desde a Usina de Itaipu, a queda de Stroessner e a fronteira sem mar. Desde o princípio e isso se confirma agora, com a vinda de não sei quantos, de chineses para o Brasil. A última vez que ouvi algo a respeito falavam em torno de 200 milhões. Bem, é a população do Brasil. Mas para a china significa 1/8 de sua população. Que convenhamos, com a queda do 'mercado chinês' e, com a simpatia do "governo brasileiro" com o comunismo, provavelmente serão recebidos dom privilégios que os brasileiros não têm e nunca tiveram e jamais terão.

Imagine, você entra em um país estranho, recebe pensão e tantos outros benefícios, garantias do “governo”, uma comunidade nativa (do seu país de origem) que o encaixa em serviços, o coloca em posição social razoável, `chegando’, à política e direção de empresas (...), enquanto, o brasileiro é tapeado pelo próprio brasileiro, por exemplo, no SUS. Considerando que o SUS é um sistema de caixa forte, onde o que menos interessa é o paciente, mas as verbas distribuídas entre pessoas e “empresas”, muito espertas, que simpatizam com o “governo”. Às vezes, a impressão que tenho é que o “SUS”, não se conforma com as 300 doenças do país e quer criar “as próprias doenças”, sob as quais tem total controle. (Me dispenso do comentário sobre as escolas e professores e as verbas da educação).

        Quando ousei dizer coisas sobre "um shopping de ferramentas", no prédio da caixa econômica, 'abandonado' em Foz do Iguaçu e que, isso deveria ser feito pela iniciativa privada através de cotas, ações etc., até para substituir "motos mortais" (transito), por máquinas não necessariamente mortais e com um nível de risco muito menor ou, quando sugeri que mudassem o horário da Área de Serviços em Foz do Iguaçu, também para aumentar a circulação de pessoas na cidade e lhes dar novas perspectivas etc. ..., nem sei se isso é possível em um município ou, se teria liberdade para isso ..., e, usando os recursos do próprio turismo para gerar imediatamente 9 mil empregos ..., o fiz, para “atiçar” um ambiente de discussão entre os políticos e empresários e suas “representações”. Obviamente que há um mistério em tudo isso, afinal, uma representação pode representar os dois lados da mesma moeda ela própria, ‘fundar a sua moeda’.

Digo, “atiçar”, porque o fogo das discussões na cidade de Foz do Iguaçu, estão abaixo de morno. Neste tempo, do tolo período eleitoral, de confronto entre os globalistas (...), que substitui esquerdistas, com Bolsonaro; a única representação brasileira pública, com o caráter brasileiro –, os políticos só falam coisas superficiais e enganosas, como por exemplo, falaram por muito tempo sobre a construção de uma 2ª. ponte (Brasil/Paraguai) e não pararam um minuto para pensar no absurdo que falavam, evidente que muitos ganharam dinheiro com anteprojetos e, etc. Mas, agora é mais visível, quando o “mercado chinês”, se insinua no que era seu objetivo desde o início: o Brasil, e deixa o Paraguai ao Paraguai, certamente com algum fôlego, considerando que o Paraguai conhece algo como “Unidade Nacional” (quase todos são parentes no Paraguai), coisa que no Brasil vem se perdendo há décadas graças àquilo que não ensinam mais, nas escolas e tão pouco as igrejas o fazem. E o exército brasileiro evidentemente é uma figura morta, que mal consegue se equilibrar frente ao crime organizado e, se é organizado, o é por forças políticas e econômicas que estão além do poder de fogo (econômico), do exército. Portanto, uma figura, apenas.

        Agora, quando a “água bate no traseiro”, que é esta informação de que os chineses virão para o Brasil em grande número, talvez comecem a se preocupar. Ou será, que estes sindicalistas, associativistas e partidos, acreditam que possam controlar o poder (...), como dizia, P. M. Donald, dos “tigres asiáticos”.  Bem os chineses, eles têm 5 mil anos de comércio; o Brasil 500 anos de existência.
        A única saída para a iniciativa privada e os políticos que puder salvar do comunismo se ela própria não for comunista (...), é se fortalecer e investir para salvar-se e salvar o povo recriando a vida. Bem, como recriar a vida? Sugeri acima algumas formas. Devem existir outras sem que se interfir na vida nacional, para "mudar o mundo". Isso só é possível quando as pessoas têm perspectivas, esperança de verdade, não aquela esperança caricatural que é própria dos cristãos iniciantes (...), onde Deus se afigura como uma espécie de “curinga de cartas de baralho”, que você “saca” da manga em casos onde o que resta é a esperança ... Sem contar com os ateus que são uma página em branco e tudo o que “sacam” é de sua “lavra”, de sua cabeça. E sua cabeça é oca!