sexta-feira, 5 de junho de 2015

FOZ DO IGUAÇU E A IDEOLOGIA DE GÊNERO


FOZ DO IGUAÇU E A IDEOLOGIA DE GÊNERO

Escrito por Luiz C.S. Lucasy
Artigo: Movimento Revolucionário

Os profissionais de esquerda, ou golpistas de conjuntura, entrincheirados nos sindicatos e escolas, eles colaram um rótulo aos seus militantes, como se cola rótulo nas garrafas de cerveja, depois os colocaram nas universidades e escolas de ensino fundamental e médio. Professores do Estado, de maneira geral, os mais antigos, aos poucos, foram sendo colocados de lado, e aposentados; outros professores abandonaram o Estado e tentaram se proteger (sua profissão) em escolas particulares, agora, decadentes escolas, pressionadas que são, pelos grandes monopólios aliados ao governo, onde se configura um princípio fascista, e ali, estes professores perdem o resto de dignidade profissional que ainda tinham. O professor, esta figura, torna-se figura pitoresca, até a metade do século XX.

O MEC foi tomado pelo PT. Isso não é novidade e é autoevidente. O MEC por sua vez, criou formas de intervir nas escolas privadas, por meio de fiscalizações, multas e taxas, intimidando-as. Ao mesmo tempo, em que, pelo viés do poder do Estado, se aliava aos grandes monopólios educacionais: nacionais e internacionais. Até que o próprio partido e seus rotulados por conveniência e por incentivo partidário formassem seus próprios grupos de “educação” e com as verbas de recursos de impostos, e o pretexto da “empresa mista”, se associasse a escolas privadas, tomando-as..., como se toma “pirulito de criança”.

A estratégia da ideologia comunista foi facilitar de forma insana, em termos de patrimônio da educação (*), onde este patrimônio, foi ignorado e criado outro, ao nível do conhecimento limitado da militância política, o egresso da militância nas escolas, e não como alunos da escola, mas professores dos alunos e tiranos, junto aos outros professores que discordassem de sua ‘visão de mundo’, e não formados por esta ‘nova classe’, de militantes marxistas. Em um vídeo do Youtube pudemos ver a ação desta ‘militância nervosa’, em uma sala de aula da USP, interrompendo a aula e exigindo que se discutisse ali, o que eles queriam.

Eles são minoria, sem dúvida. Mas, fazem estardalhaço em grupo. E contam com o silêncio dos outros, aparentemente acovardados ou indiferentes. Nem sempre, a reação começa a crescer! Então, avançam a cada dia. Neste mês de junho de 2015, a partir do dia 26, tentarão aprovar a “Ideologia de Gênero”.

Este projeto, malicioso e mortal à família foi derrubado no plano Nacional. O Brasil disse não! Não queremos ideologia de gênero. No obstante o caráter deste tipo de gente maldosa e maliciosa, não aceita o não! E não por princípio moral que não possuem, mas, por ordem do partido. E logo partem para outros tipos ‘paralelos’ de ataques, para novamente impor seu projeto. E foi isso o que aconteceu. Eles contam com o silêncio aparvoado das pessoas que carregam o peso extra do “medo”. Um “medo” sem sentido: pois vão perder agora e depois, quando não reagem ou não entendem do que se trata. O tema Ideologia de Gênero tem que ser estudado e não faltam documentos na internet. O que falta é a capacidade de se sentir violado.

Mas isso, ‘a capacidade de sentir violado’, por parte da vitima, é pensada, pelos comunistas. Então, nos apresentam uma “tragédia nacional”, que sejam pelos crimes, afinal são mais de 70 mil assassinatos por ano! Em Venezuela são 25 mil assassinatos ao ano. Observe que isto é um fenômeno que acontece desde FHC, que criou as ONGs e o MST, entre outros. É proposital, tal situação, justamente porque desalenta as pessoas. E quando elas ficam desatentas às coisas institucionais, e, frente à agressiva realidade é quando “eles” se aproveitam e aprovam tudo o que querem e com facilidade.

Neste sentido e usando destes artifícios de ‘tonteamento social’, ou idiotismo como diria o jornalista Olavo de Carvalho, então, reapresentaram o projeto de “Ideologia de Gênero”, nas escolas, e isso quer dizer: material didático confeccionado pela ditadura Gay.

Se não deu certo ao nível nacional, agora, veja que absurdo, eles vão apresentar aos 27 Estados. Aprovando o projeto nos 5750 municípios. Ou seja, não deu pela porta estreita, então, vão pelas fendas da obscuridade. Onde, eles têm seus ‘militantes enrangées’ em cada câmara municipal e na mídia.

Após a tomada de poder pelo Foro de São Paulo em 2014; algo inesquecível, onde ouve até uma declaração de guerra de Venezuela e outra do senhor Inácio incitando as ‘forças’ do MST, após esta demonstração de força no país, em Foz do Iguaçu, o PT conseguiu tudo o que queria, com o apoio dos vereadores. Só o prefeito foi colocado ao lado, devido, o incidente com o seu candidato a presidente, o senhor Eduardo Campos, o que não impediu a oposição insensível à morte de Eduardo, um possível ganhador das eleições no Nordeste, de pedir o impeachment do Prefeito, para coloca-lo em situação de miséria política, onde então, os ‘vereadores’, poderiam desfilar como autoridades supremas nos meios políticos. De fato, os vereadores (...), ou a organização petista?

Em síntese a ‘moral’ destes vereadores e muito menos a do prefeito acuado, pode ser afundada de vez ou salva por mais um mandato e isso vai depender da aprovação, ou não, do projeto da Ideologia de Gênero na Câmara Municipal de Foz do Iguaçu. Agora precisamos entender que os vereadores podem escolher como fizeram antes: salvar sua ‘moral de péssimos hábitos’, junto ao poder do Foro de São Paulo, o que lhes garante uma sobrevida profissional política, ou salvar sua moral, já fragilizada, junto àqueles que o elegeram e correr o risco de se tornarem pessoas comuns, que têm que trabalhar duro e pagar impostos e ser vilipendiada por um estranho modo de governo, que odeia a classe média (...), quando ele próprio anseia por isso e muito mais!


(*) O deputado, Vicentinho da CUT, quer impedir a importação de livros em língua estrangeira. De verdade, o fato em si, aos olhos populares e distraídos; aos fantasiados de cultura pós-moderna, esta medida não afeta aqueles que não entendem outras línguas... Mas, abre precedentes fabulosos, no mal sentido, de violação terminal ao patrimônio da cultura, dos países Ocidentais: de língua espanhola, portuguesa (de Portugal), italiana, francesa, inglesa e alemã etc. Impedindo o Brasil de saber o que acontece nestes países, em tempo real, ou seja, a ideia (de partido) deste advogado, sindicalista, deputado e psicopata social, esta idéia mal sã irá concretizar no Brasil, a velha e boa “cortina de ferro”, aos moldes dos sovietes da URSS. Diria “ex”, mas isso não seria condizente com a verdade, pela simples atuação, mais que presente da KGB no Brasil, na década de 60 e agora. (segundo documentos tchecos).


Em Tempo – Como trabalhador assalariado. Recém-empregado. Não tive ânimo e disposição, para verificar se o projeto de Ideologia de Gênero, já não foi aprovado na Câmara Municipal de Foz do Iguaçu. Nada os impedia que fizessem isso, em meio à tantas ‘conturbações políticas midiáticas’. De repente, não mais que de repente, estamos falando algo que já aconteceu! O que de certa forma, em tendo sido aprovado na Câmara de Foz, mostra a total desinformação da sociedade. Ora, uma desinformação daquilo que já foi aprovado, e outra, daquilo que ainda pretendem aprovar e cuja seriedade do tema é vital para a família brasileira: que significa existir ou não: “ser ou não ser”! Seja como for o recado foi dado. Minha obrigação foi cumprida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A Câmara Municipal de Foz e a Crise de Identidade

A Câmara Municipal de Foz e,  a Crise de Identidade. Os partidos políticos, herdeiros da fatídica “Frentona” de 2004 [nã...